Números do Ensino Superior
Autores
Categorias
Arquivos
Twitter

Sobre : Rubens Oliveira Martins

Nome Completo: Rubens Martins
Site:
Detalhes: Gestor Governamental no Ministério da Ciência e Tecnologia, Doutor em Sociologia pela UnB, Mestre em Sociologia (USP), professor das Faculdades Integradas UPIS-DF

Artigos do(a) Rubens Oliveira Martins:

    Rubens de Oliveira Martins
    Gestor Governamental no Ministério da Ciência e Tecnologia, Doutor em Sociologia pela UnB, Mestre em Sociologia (USP), professor das Faculdades Integradas UPIS-DF
    ***

    “A gramática política do Brasil: clientelismo, corporativismos e insulamento burocrático”
    Autor: Edson de Oliveira Nunes                Editora:  Garamond, Rio de Janeiro, 2010

    Ítalo Calvino, em seu livro “Por que ler os Clássicos” (Companhia das Letras, 1994) apresenta algumas definições sobre o que faz um livro se tornar um “clássico”, entre elas a de que os clássicos são aqueles livros dos quais, em geral, se ouve dizer: “Estou relendo…” e nunca “Estou lendo…”, e que toda releitura de um clássico é uma leitura de descoberta como a primeira; entendendo-se que toda primeira leitura de um clássico é na realidade uma releitura. Embora Calvino esteja se referindo aos grandes clássicos da Literatura, a noção de obras “clássicas” existe em todas as áreas do conhecimento, e, nesse sentido, considero ser esta aplicada ao livro do prof. Edson Nunes: A gramática política do Brasil.

    Trata-se uma obra que foi inicialmente publicada em 1997, resultado da tese de doutoramento do autor na Universidade de Berkeley (1984), e republicada em 1999 e 2003, até a presente edição de 2010. A trajetória acadêmica e profissional de Edson Nunes ajuda a compreender a contribuição trazida por seu livro, tendo em vista sua vinculação ao mundo universitário -  como docente e dirigente – e pela reflexão sistemática sobre políticas públicas, como Secretário Executivo do Ministério do Planejamento e Presidente do Conselho Nacional de Educação.

    Leia mais »

    Prof. Rubens de Oliveira Martins
    Mestre em Sociologia (USP) e Doutor em Sociologia (UnB).
    Gestor Governamental na Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação – SETEC/MCT
    Twitter: RubensProfessor
    ***

    Nos últimos 10 anos têm sido definidas políticas articuladoras entre as diferentes ações do governo federal, com o objetivo estratégico de consolidar um cenário favorável ao desenvolvimento econômico, social e científico do país. Essa estratégia de articulação pode ser confirmada pelas diretrizes da Política Nacional de Desenvolvimento Tecnológico, definidas no Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação (PACTI 2007-2010), no Plano de Desenvolvimento da Educação – PDE,  na Política de Desenvolvimento Produtivo – PDP, no Plano de Desenvolvimento da Saúde e no Plano de Aceleração do Crescimento e Infra-Estrutura – PAC. Ocorre que, mesmo com essa visão estratégica e sistematizada, é freqüente que as burocracias ministeriais permanecem desarticuladas, realizando ações pontuais e muitas vezes contraditórias com as políticas de outros órgãos do governo.

    Considerando o caso das políticas do MEC para a Educação Superior, embora se verifique o investimento importante na recuperação e na ampliação da infra-estrutura e pessoal das Universidades Federais, não se encontra um planejamento referente às ações de indução necessária para a formação de recursos humanos em áreas consideradas estratégicas, como por exemplo, aquelas oriundas das demandas geradas pelo PAC e pelas metas do Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação. Nesse cenário podemos destacar a atual discussão sobre a necessidade de formar mais engenheiros, tanto para enfrentar os desafios do crescimento econômico – sejam as demandas para a exploração do pré-sal, as obras para a Copa 2014 e para as Olimpíadas de 2016 – quanto para responder às mudanças na sociedade do conhecimento, que exige maior integração entre universidade e empresas para garantir o desenvolvimento tecnológico.

    Leia mais »

Promoções








Vídeos
Visite nosso site
ABMES
Visitantes

Número de visitantes

Página 1 de 11