Números do Ensino Superior
Autores
Categorias
Arquivos
Twitter
Print Friendly

Gabriel Mario Rodrigues
Presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) e
Secretário Executivo do Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular
***

Num mundo globalizado em que vivemos, onde a busca pelo desenvolvimento das nações exige recursos humanos preparados para atingir o máximo de desempenho laboral para que as metas de progresso se concretizem, a importância da educação superior é um axioma vital

No dia 2 de julho de 2013, a Diretoria da ABMES eleita para o triênio 2013/2016 fez sua primeira reunião mensal com o objetivo de levantar e debater novas propostas e refletir sobre as ações em andamento como subsídios à elaboração de um Plano de Trabalho.

Após os debates, os diretores concluíram que a atuação da ABMES deveria ser referenciada por cinco eixos básicos: 1. Estimular a qualidade de educação no Brasil; 2. Encontrar fórmulas para agregar valor ao associado; 3. Contribuir para fortalecer a imagem do ensino superior particular; 4. Atuar inteligentemente com uma estratégia de política forte e 5. Criar um mecanismo ágil de comunicação entre os membros da Diretoria.

Mais claramente, foi enfatizado que a ABMES deveria ter como propósito maior a discussão e o aprofundamento de ações incentivadoras da melhoria da qualidade de Educação do Brasil.

Por entender que antes de tudo é necessário esclarecer o que é qualidade de ensino, estou me servindo deste tema para meu artigo semanal e também para dar início ao debate com a Diretoria.

O que é Qualidade de Ensino?

Não pretendo construir uma tese sobre qualidade de educação nem discutir os diversos autores que dedicaram seu tempo ao estudo da questão. Não vou analisar as vultosas somas de recursos que órgãos de governos, institutos, universidades e organizações gastaram para encontrar uma solução para o desafio de esclarecer o que seja qualidade educacional e menos ainda discutir as esdrúxulas formas que o MEC utiliza para avaliar o desempenho educacional das instituições.

Há divergências filosóficas e ideológicas entre duas concepções de universidade. A primeira como verdadeira empresa com finalidade de produzir ciência, tecnologia e cultura em geral e a segunda como templo da sabedoria e do conhecimento. Há ainda visões neoliberais e estatizantes. Ensino público ou particular. Educação de massa ou de elite. Ensino pago ou gratuito. Sobre estes temas quase todos opinam e nada explicam.

Nesse sentido, autoridades, jornalistas, especialistas e outros, ao falarem sobre educação e qualidade de ensino, nem sempre se fundamentam em dados concretos e nem sempre conhecem a extrema diversidade de alunos e instituições. Na maioria das vezes escrevem sem conhecimento profundo das questões. Portanto, a grande dificuldade é conceituar o que seria “qualidade de educação” para fugir da banalização e para conseguir um referencial que possa ter sustentação teórica e prática e servir de modelo para as instituições de ensino superior.

Flávia Feitosa Santana[1] fez uma pesquisa com numerosos administradores educacionais perguntando-lhes o que era qualidade em educação superior e constatou que a qualidade apresenta ambiguidades conceituais que impossibilitam o consenso. As visões a serem assumidas, em especial pelas instituições de ensino superior, ensejam que a qualidade seja avaliada por diferentes ângulos e pontos de vista. As áreas da academia e a própria ciência, por meio de pesquisas, discutem a qualidade num recorte mais humano, social, político ou econômico, mas não chegam a uma única definição pela complexidade de percepções.

Para conciliar os conceitos, citamos definições de Santana e de Walter Bazzo (2001), além de uma terceira ditada pelo bom senso. São elas: 

Qualidade

é o conjunto de características que um produto ou serviço deve ter para bem atender às aspirações ou interesses dos usuários. Essa definição aplica-se perfeitamente na área educacional, pois tira de vez a posição exclusiva dos professores em quanto ao processo de ensino, agora redefinido como um processo de aprendizagem, com muitos outros agentes e meios diversos implicados. (SANTANA, Flavia. A Dinâmica da Aplicação do termo Qualidade na Educação Superior Brasileira. São Paulo: Editora Senac, 2007)

Qualidade

não se faz apenas com laboratórios bem equipados, informatização da burocracia universitária, bibliotecas climatizadas, salas de aulas e corredores limpos, e gente educada atendendo nos balcões das escolas. É certo que estas são condições que de alguma forma facilitam e ajudam a humanizar o processo de ensino. Mas há muitas outras questões entre o indivíduo e o conhecimento que os aspectos mais aparentes não podem resolver. “O ensino só pode ser considerado de qualidade quando der oportunidade para a construção do conhecimento por todos os indivíduos envolvidos no processo”. (BAZZO, Walter. Artigo do Programa A qualidade de ensino e sistemas de avaliação, 2001)

 Qualidade

 “Propriedade ou conjunto de propriedades inerentes a algo, que permite julgar seu valor“. Quem julga é quem paga ou quem compara. E, pagando ou comparando, a ideia que sobra é a de maior ou menor preço, maior ou menor utilidade, maior ou menor prestígio, maior ou menor credibilidade, maior ou menor seriedade, maior ou menor modernidade, etc. Qualidade é o diferencial de uma coisa comparada com outra. Sem comparação, ou sem possibilidade de comparar, nada é melhor nem pior.

A qualidade está condicionada aos diversos fatores que as três definições exprimem e que variam em função da área de conhecimento, das instalações, laboratórios e equipamentos, bem como da qualificação do corpo docente e do projeto pedagógico do curso. Não dá para colocar todos estes elementos numa mesma cesta e se chegar a um valor comum. Mas de qualquer forma a qualidade poderá ser avaliada pelos seus indicadores (instalações, professores, projeto pedagógico e outros) ou pelo produto final (aferido pelo mercado de trabalho). Mas em relação a qualquer produto ou serviço, o ensino é uma tarefa realizada a quatro mãos. Depende do interesse do aluno, de seu conhecimento anterior, de sua vontade de aprender e de seu projeto de vida.

Poucas instituições acompanham os estudantes desde o ingresso à sua formatura por meio de pesquisa do valor das competências que lhes são somadas a cada etapa temporal para verificar o valor agregado de conhecimento adquirido.

Se há uma meta final, que é o exercício de uma profissão, nada mais racional do que criar um sistema de acompanhamento para que todos os progressos do estudante possam ser analisados. Esse trabalho é de suma importância em razão da proposta educacional da instituição, mas ninguém tem tempo útil para fazê-lo, porque, para sobrevivência, a burocracia exige bons desempenhos nos CPCs e IGCs do MEC.

O que estou propondo, portanto, é a criação de um sistema interno onde cada instituição, em função de um projeto de formação profissional que oferece, possa acompanhar por etapas mensais ou semestrais o valor agregado adquirido pelo seu estudante. Tal sistema não é tão difícil de ser acionado, além de ser muito mais verdadeiro ao ser comparado com modelos equivalentes.



[1] A Dinâmica da Aplicação do termo Qualidade na Educação Superior Brasileira. São Paulo: Editora Senac, 2007

 

5 Respostas para “O que é qualidade de ensino?”

  • Prof. Saulo Dias disse:

    Prezado Professor Gabriel.Li com interesse e atenção o seu artigo sobre QUALIDADE, onde você aproveita para reiterar os pontos tantas vezes debatidos. E, lendo, pensei que você também poderia escrever sobre o que é um CURSO SUPERIOR.
    Quando é que um curso é “superior”? Por que um curso é ou
    não é “superior”? O que diz o Ministério sobre o que seja um curso superior? É curso superior porque alguém
    deu uma definição e outros a acharam bonita? Porque os diplomas são mais coloridos? O que é realmente um Curso Superior?
    Gostaria de contar com mais esta colaboração sua. Abraço.
    Prof. Saulo

  • Maria Carmen Tavares Christóvão disse:

    Reconhecendo a impossibilidade de falar-se em ponto de partida para busca de qualidade educacional, ou de situação que impacte sobre as melhores práticas educacionais, sem manter pressuposições sobre o horizonte último do grande entrave da Educação Superior Particular, a ABMES apresenta uma reflexão já comprometida na busca por respostas mais eficazes e pontuais sobre o que de fato pode ser percebido como qualidade de ensino.
    Recordo-me que na Revista Estudos nº 39/ ABMES abordei amplamente o tema em um artigo intitulado “Elementos que atestam qualidade no ensino superior particular” que pode ser lido no link: http://www.abmes.org.br/abmes/publicacao/detalhe/id/24

  • Roney Signorini disse:

    Ensino versus Educação
    Os dois verbetes têm distinção. Nem sempre a abordagem de qualquer tema relacionado à formação consegue estabelecer os vieses adequados, quando é por meio do ensino(meio) que se educa(fim). O efeito da educação tem como causa o ensino. Portanto, ensino de qualidade é uma coisa. Outra coisa é educação de qualidade. Faltando qualidade no ensino jamais se terá educação de qualidade.
    É quase possível dizer que os dois termos são xifópagos, dois irmãos siameses.
    Então, quem aplica ensino de qualidade na transmissão de conhecimentos visa dar-lhes utilidades para a educação, educar.
    Assim também, quando se imprime qualidade aos métodos de se ministrar o ensino o objetivo é que tais conhecimentos plenifiquem a educação.
    O ensino de qualidade, como adestramento e treinamento, tem por escopo consumar a educação, como aquisição de cabedal científico para o aperfeiçoamento integral das faculdades
    humanas. É no magistério que o ensino é professado e se disso decorre educação de qualidade é outra questão.

    Com esta abertura de reflexões, sobre o brilhante artigo do Prof. Gabriel Rodrigues, sou forçado a concordar com a sua afirmação de que qualidade é o diferencial de uma coisa comparada com outra. Sem comparação, ou sem possibilidade de comparar, nada é melhor nem pior. Seja quanto ao ensino ou quanto à educação. E aqui está o fantasma que assombra as IES, avaliadas pelo MEC com os CPCs e IGCs ao estabelecer que não tendo o conceito 5 deve ficar com o 1 ou 2, frente a avaliação isônoma do INEP. Lamentável julgar os diferentes como iguais a tudo comparando. Como comparar uma Universidade com Centro Universitário e este com uma Faculdade média ou pequena, de uma capital com as dos sertões ? Urge estabelecer os conceitos de 1 a 5 entre as Faculdades, igual critério entre os Centros Universitários e daí por diante porque, por ora, há muita injustiça.

  • Flávia Feitosa Santana disse:

    Em primeiro lugar, fico muito satisfeita em ter minha tese alimentando a discussão de um assunto tão sério e importante para nosso país. Ela foi concluída em 2004 e transformada em livro em 2006. E, ainda é absolutamente atual.
    Infelizmente temos outras surpresas, bem menos interessantes, como o projeto do senador Cyro Miranda, recentemente divulgado na mídia.
    Gostaria muito que todo o dinheiro investido na avaliação da educação superior no Brasil gerasse bons fruto. Mas, da forma que as coisas caminham, duvido que teremos bons resultados.
    Continuo esperando o diálogo, a cocriação, o respeito e a otimização do tempo das instituições, dos profissionais que nela trabalham e do governo. Índices são apenas um pedaço da história. Podemos e devemos contar com eles. Mas, cadê o discurso da melhor qualidade (como diria a querida professora Terezinha Rios)? Quando começaremos a propor no Brasil uma gestão e uma administração pública pela confiança?
    já é tarde para essa mudança. Mas, antes tarde do que nunca.

  • laurina joao disse:

    Porque que quando fala se de ensino logo a 1ª visao e no geral

Deixe uma resposta

Promoções






Vídeos
Visite nosso site
ABMES
Visitantes

Número de visitantes

Página 1 de 11